Psicopatia e Serial Killers

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013 | 20:37 | Por 6 comentários
Os mistérios da mente. Sempre foi, e sempre será um tema fascinante, seja por pura curiosidade ou, por  outro lado, pela permanente dúvida do que o homem é realmente capaz de fazer. Assassinos em série ou serial killers são indivíduos que praticam uma série de crimes, normalmente com um intervalo de tempo constante entre cada homicídio. O assassino em série pode ainda matar várias pessoas de uma só vez. É um tipo e criminoso de perfil psicopatológico que, geralmente, segue um "modus operandi" e deixa a sua "assinatura". Regra geral: são indivíduos muito inteligentes; segundo estudos realizados pelo FBI, os seus QIs, estão entre os 110 e 120 podendo, em alguns casos, ser até mais elevados.

A palavra "psicopata" designa, a rigor, um indivíduo clinicamente perverso, com personalidade psicopática. A psicopatia é um distúrbio mental grave caracterizado por um desvio de carácter, isto é, ausência de sentimentos genuínos, frieza, insensibilidade, manipulação, egocentrismo e falta de remorsos. Apesar de ser mais frequente em indivíduos do sexo masculino, também se conhecem casos de mulheres afetadas, embora não possuam características tão específicas como as dos homens.

Por vezes, a psicopatia é também denominada de sociopatia; cientificamente, a doença é classificada como sendo um transtorno de personalidade anti-social.

Os assassinos em série são, normalmente, indivíduos com boa aparência, bem sucedidos, membros ativos da comunidade - cidadãos responsáveis à primeira vista. Geralmente demonstram três comportamentos durante a infância, conhecidos como "Traide MacDonald": urinam na cama, provocam incêndios e são cruéis com animais. Ainda em criança, tem tendência a destruir propriedades, a masturbação compulsiva, isolamento social, mentiras cronicas, rebeldia, pesadelos constantes, acessos de raiva exagerados, fobias, dores de cabeça constantes e auto-mutilações.

O motivo das atitudes de um assassino em série é, quase sempre, psicológico que se transforma em comportamentos violentos com nuances sádicas e/ou sexuais. Existem, basicamente, dois tipos de serial killers: os "organizados" que correspondem a indivíduos com inteligência normal e que se inserem facilmente na sociedade; são os mais difíceis de descobrir, uma vez que planejam os seus homicídios, não costumam deixar provas e, aparentemente, levam uma vida normal, e os "desorganizados" que são impulsivos e não planejam os seus atos. No entanto, os primeiros são os que existem em maior número e são os que têm os distúrbios mentais mais profundos.

A maioria das pessoas é incapaz de perceber como é possível existirem seres humanos com uma personalidade anti-social e criminosa, como a de um serial killer.

Os assassinos em série podem ser classificados, ainda, relativamente ao número de crimes que cometem ou a forma como os cometem. Assim, dividem-se dois grandes grupos: os "mass murders" (assassinos em massa) - quatro ou mais vítimas num mesmo local, num único acontecimento – e os “spree killers” – assassínios em locais diferentes num curto espaço de tempo.

A personalidade dos psicopatas é frequentemente descrita como se tratando de um encantamento superficial e manipulador, as mentiras sistemáticas e o comportamento fantasioso são recorrentes, bem como a ausência de sentimentos afetuosos, a amoralidade, a impulsividade e a incorrigibilidade. No entanto, existem diferentes tipos de psicopatas que, apesar de terem características das referidas em comum, diferem em alguns aspectos:
  • Amorais: Indivíduos insensíveis, arrogantes, anti-sociais ou perversos, destituídos de compaixão, de vergonha, de sentimentos de honra e conceitos éticos, que não sentem simpatia pelas pessoas do seu grupo social e que praticam condutas lesivas ao bem-estar e à ordem estabelecida. Sendo inútil qualquer tipo de recuperação a estes indivíduos.
  • Astênicos: Sensitivos e assustadiços, insatisfeitos, perturbações das funções orgânicas.
  • Fanáticos: indivíduos que se caracterizam pela extrema importância que concedem a certas constelações idealistas, sejam relacionadas com a própria personalidade, sejam ligadas a determinados sistemas religiosos, filosóficos ou políticos.
  • Inseguros: Indivíduos marcados pela falta de confiança em si mesmos e pela sensação de insuficiência que os domina. São pessoas honestas, escrupulosas e de carácter impoluto.
  • Ostentativos: Indivíduos mentirosos mórbidos, afáveis, solícitos, inteligentes, simpáticos, instáveis, vaidosos, excêntricos, que procuram aparentar mais do que aquilo que na realidade são e que, quando descobertos na sua delinquência, costumam alegar amnésia ou ignorância.
  • Sexuais: Indivíduos que possuem perversões ou aberrações sexuais primitivas, caracterizadas tanto pela intensidade do instinto como pelo desvio deste em natureza e finalidade.
  • Reatividade Múltipla: Indivíduo em que os caracteres anormais exibem várias formas de reação psicótica, logo não é possível enquadrá-los em nenhum dos tipos descritos anteriormente.
Os psicopatas são incapazes de aprender com a punição ou de modificar os seus comportamentos. Podem esconder, mas nunca suprimem; limitam-se a disfarçar, de forma inteligente, as suas características de personalidade.

Mas por que motivo têm os psicopatas estas características? Os seus cérebros são diferentes dos cérebros das pessoas normais?
Muitos estudos têm vindo a demonstrar que assassinos e criminosos ultra-violentos evidenciam doenças cerebrais. Entre os diagnósticos mais comuns estão a esquizofrenia, a depressão, a epilepsia, o retardamento mental, a paralisia cerebral, entre outros. Ainda que este assunto tenha sido sempre muito controverso, muitos cientistas acham que existem fortes argumentos a favor de um substrato de doença cerebral presente em criminosos violentos. Estas teorias têm grandes consequências, desde o ponto de vista da Lei até à perspectiva de uma prevenção efetiva e do tratamento da psicopatia.

Psicopatia vs. Sociopatia

Atualmente, não se tem a certeza sobre as disparidades entre estes dois termos. Alguns autores consideram que o termo sociopatia é mais abrangente que psicopatia, isto é, a psicopatia é parte constituinte da sociopatia. Por outro lado, outros peritos defendem que ambos os termos se referem a um transtorno de personalidade anti-social.


Para o especialista Robert Hare, a diferença entre sociopatia e psicopatia consiste unicamente na origem do transtorno: quando o distúrbio é originado a partir do próprio meio social (por exemplo, ter pais violentos, ter sido vítima de maus tratos), designa-se sociopatia; se o transtorno “nascer” com o indivíduo, então designa-se psicopatia. Estes autores consideram que psicopatia e sociopatia são, parcialmente, sinônimas.

Contrariamente, há especialistas que defendem que a sociopatia e a psicopatia são duas manifestações diferentes de transtornos de personalidade. Enquanto os psicopatas nascem com as características básicas, como a ausência de medo e impulsividade, os sociopatas apresentam um temperamento que se aproxima do que se considera “normal”.

De qualquer forma, ambos os termos dizem respeito a alterações no cérebro de um indivíduo, influenciadas tanto pela genética como pelo meio ambiente, que levam à manifestação de distúrbios mentais.

*Visite também: http://www.psicopatia.com.br/index.php
*Leia também: Hello, Dexter Morgan
*Recomendação de leitura: Mentes Perigosas - O Psicopata Mora ao Lado (Ana Beatriz Barbosa Silva)


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

6 comentários:

  1. Fora os Amorais os outros tem cura???

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito, to fazendo um estudo sobre o assunto e me ajudou bastante

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito, to fazendo um estudo sobre o assunto e me ajudou bastante

    ResponderExcluir
  4. Oque acontece quando um jovem que se sente diferente, e gosta de psicologia procura sobre esses temas e acaba identificando em si mesmo sintomas de psicopatia?
    Se ele era "destinado" a ser um mas toma consciência disso antes de cometer algum ato sério, ele pode vir a melhorar seu estado mental se caso em alguns momentos ele tenha uma certa "lucidez" que o faça pensar que a forma como age é errada?

    ResponderExcluir
  5. Matheus Ryuzaki, aconteceu a mesma coisa comigo e também quero saber.

    ResponderExcluir
  6. Matheus Ryuzaki, aconteceu a mesma coisa comigo e também quero saber.

    ResponderExcluir