O Futuro da Humanidade

sexta-feira, 8 de junho de 2012 | 13:21 | Por 4 comentários

“O Futuro da Humanidade” foi o primeiro romance do psiquiatra Augusto Cury, onde o autor expõe várias de suas teorias, sobre a psiquiatria e a pedagogia através dos personagens. O livro conta a história de Marco Polo, um jovem estudante de medicina, cheio de sonhos e expectativas, que foge aos padrões. Não é a toa que tem o nome de um aventureiro navegador veneziano do século XIII, em quem seu pai se inspirou para escolher seu nome.

Ao entrar na faculdade de medicina, Marco Polo se choca com a realidade dura e fria encontrada na sua primeira aula de anatomia, onde encontra a triste cena de corpos sem identificação, produzindo um abalo emocional repentino e incontrolável. Ousado e brilhante, Marco Polo questiona sobre a identidade dos cadáveres, e se depara com a frieza com que os professores se referem aos corpos, tratando-os como seres sem identidade, seriam apenas mendigos encontrados mortos na rua, esquecidos e que ninguém sentiu falta, somente corpos sem nome, miseráveis na sociedade. Porém, Marco Polo não aceita essa situação, e sai buscando informações sobre a vida desses mendigos aparentemente sem passado. É aí onde ele vai encontrar o mendigo Falcão, que para sua surpresa, era muito sábio, conhecia a fundo a mente humana, e apesar da difícil situação em que vivia, matinha sua alegria.

Junto de Falcão, que se tornará seu grande amigo, Marco Polo se depara também com um mundo de sonhos frustrados e esperanças perdidas. No decorrer da história, os dois debatem temas sobre a essência humana, o poder da psique, a destruição das emoções, a "ditadura da hipótese" e o sistema social doentio em que vivemos. Através de Falcão abrindo os olhos de Marco Polo, Augusto Cury abre nossos olhos para refletir, filosofar e repensar problemas de nossa sociedade. 

Marco Polo revela então, em uma das aulas de anatomia, que um dos corpos que estavam ali, era de um ilustre cientista médico que havia perdido toda sua família num acidente, e após essa tragédia, teria abandonado sua carreira e se tornado um mendigo que acabou morrendo no anonimato. A revelação cai como uma bomba para o atual professor, que desprezava os cadáveres, quando se da conta do que está acontecendo. Nesse momento, Marco Polo faz todos perceberem que por trás de qualquer pessoa há uma grande história, que por trás de um mendigo, pode haver um grande pensador e que por trás de um ser humano que tem problemas psicológicos há uma pessoa maravilhosa que necessita de carinho e de acreditar em si mesma. 

Estimulado por Falcão, Marco Polo se torna um grande psiquiatra e um verdadeiro aventureiro. Mas apesar de fazer muitos amigos por onde passa, ele não agrada a todos, por seu jeito diferente e por não concordar com a abordagem clássica da psiquiatria e com os paradigmas da medicina. Ele então desafia vários profissionais de renome internacional, trazendo a proposta de que pacientes com problemas psiquiátricos merecem mais atenção, respeito e dedicação em seus tratamentos, e não apenas remédios. Critica a indústria do preconceito e o sistema social, que marginaliza o ser humano. Através dos diálogos, e de argumentos muito pertinentes, ele causa uma verdadeira revolução nas mentes e nos corações das pessoas com quem convive, e de quem lê o livro. Ele nos ensina o porquê de amar ao próximo e respeitá-lo, baseando-se em teses da própria filosofia.

O "princípio da corresponsabilidade inevitável" é apresentado com argumentos excelentes, fazendo-nos refletir. Há ainda discussões sobre Deus, sobre a soberba e arrogância dos poderosos, depressões, sofrimentos psíquicos dos seres humanos, relação familiar, entre outros. Além de severas críticas a indústria farmacêutica, constatando a exploração do capitalismo nessa área, mostrando como a medicina foi contagiada pelas leis de mercado, com ótimos questionamentos como “Porque a indústria farmacêutica não investe na prevenção de doenças?”.

Marco Polo nos ensina filosofia, psicologia e psiquiatria, colocando o paciente em primeiro lugar, entendo a subjetividade, a grandeza e a individualidade de cada ser humano, trazendo para o eterno embate “Psiquiatria vs Psicologia”, a proposta de uma psiquiatria mais humana e menos separada da psicologia. Com suas intervenções, ele desejava treinar os médicos a ouvir com o coração e entenderem que tratavam de doentes e não de doenças, de seres humanos e não de órgãos.

O livro desafia alguns paradigmas atuais e teorias médicas-psiquiátricas, e mostra uma grande compreensão dos sentimentos, mostrando a história de esperança e luta contra as injustiças, desse jovem corajoso, dotado de imensa paixão pela vida e pelas pessoas que é Marco Polo, um verdadeiro “Poeta da Vida”, um homem disposto a correr todos os riscos em nome daquilo que ama e acredita. Através de uma linguagem muito clara, Augusto Cury conseguiu fazer um romance envolvente e ao mesmo tempo passar sua mensagem sobre temas que valem a pena serem pensados. Ele nos introduz a conceitos de psicologia de forma simples e nos faz refletir sobre o rumo que a sociedade está tomando.

Sem dúvidas, é uma leitura de extremo valor para estudantes de psicologia e principalmente de cursos de saúde, por ser um livro que reacende em nós a vontade de mudar, de renascer, de recuperar os sentimentos de humanidade e solidariedade tão esquecidos e desvalorizados nos dias de hoje. Faz lembrar que devemos ser mais humanos e menos técnicos, de que devemos experimentar a felicidade e não só o sucesso profissional, que devemos aprender a ouvir e entender, além de medicar.

“Devemos aprender a viver e não sermos só expectadores no palco de nossas vidas, e assim, ajudar aos outros.” Marco Polo é um exemplo de coragem, de imensa paixão pela vida e pelas pessoas, uma verdadeira inspiração. Devemos nos lembrar do Principio da Corresponsabilidade: “Todos são responsáveis por tudo o que acontece no mundo e, portanto, pelo futuro da humanidade”.

Texto por Isabela França

http://www.skoob.com.br/livro/978-o-futuro-da-humanidade
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

4 comentários:

  1. Ola Isabela, muito bom o seu artigo sobre esse otimo livro, que na verdade ainda estou lendo, e ja posso dizer que e um dos melhores livros que ja li, sempre gostei de coisas seja livros, musicas, filmes e etc, que nos estimula a pensar, a buscar o que move o mundo a "duvida" estou gostondo muito do livro e seu artigos reflete muito bem sobre que devemos ser mais humanos.

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto de resenha. Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa do livro é linda ela traz o universo como tema.
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

    ResponderExcluir
  3. Bom texto!
    Hoje acabei de ler o livro. Não sei qual sensação sinto: felicidade ou angústia. Felicidade por ter a oportunidade de ler essa história tão fascinante. E ao mesmo tempo me sinto angustiada por essa relação que é criada quando se lê uma obra que te prende ser rompida.

    ResponderExcluir
  4. Bom texto!
    Hoje acabei de ler o livro. Não sei qual sensação sinto: felicidade ou angústia. Felicidade por ter a oportunidade de ler essa história tão fascinante. E ao mesmo tempo me sinto angustiada por essa relação que é criada quando se lê uma obra que te prende ser rompida.

    ResponderExcluir