"Bicho de Sete Cabeças" e a Reforma Psiquiátrica

terça-feira, 5 de junho de 2012 | 13:52 | Por 19 comentários
Este filme é duro, chocante, cruel. Duro porque apresenta a realidade dos hospícios manicomiais com uma transparência que parece de documentário e não de filme; chocante porque os espectadores podem facilmente sofrer o impacto "da medicina manicomial", e cruel porque as cenas de violência desumana em nome de um tratamento psiquiátrico mostravam sem alegorias ou metáforas como o homem pode ser o lobo do homem.

Neto, personagem de Rodrigo Santoro, vive o drama de ter sido internado em um hospital psiquiátrico por seu pai, que o julga e o rejeita pelo seu suposto envolvimento com drogas, após encontrar um cigarro de maconha em suas coisas. O pai conservador, rude e ignorante e uma mãe submissa, que não procuram em nenhum momento dialogar com o rapaz, nem tentam compreender as mudanças que passam na cabeça do filho numa fase tão conturbada como a adolescência, onde muitos adolescentes apresentam um comportamento rebelde, reforçado pelo fato de procurar aceitação e identificação por um grupo de amigos do qual faz parte, incitando-o a utilizar bebidas alcoólicas, pichar muros e ter atitudes de confronto com o pai, esse adolescente não encontra apoio algum no âmbito familiar.

Sem preparo nem informação alguma o jovem é simplesmente deixado pelo pai nesse manicômio, onde é tratado de maneira agressiva, impiedosa e desumana. Os familiares que “cheios de boas intenções” viram cúmplices do hospício e de suas cruéis torturas, só tiram Neto de lá quando já era tarde.

A violência sádica dos enfermeiros, que usam todos os recursos do hospício para subjugar os pacientes, desde a antiga camisa de força, o quarto "forte" e o eletrochoque, terrível arma que apaga a memória imediata e que se aplicado com frequência pode levar uma pessoa a deixar de ser gente, a perder a vontade e a consciência de si, a ser um "zumbi".

Entre internações e tentativas de se reestabelecer e reintegrar à sociedade, Neto passa por diversas situações, convivendo no seu dia-a-dia com o preconceito, os medos, as inseguranças e as sequelas causadas pelos intensos e absurdos tratamentos utilizados na tentativa de ser “salvo”.

Essa realidade, vivida no hospital, é tratada como o lado de lá, pois ao mesmo tempo em que os incluem em um contexto, não lhes permite nenhum tipo de escolha, nem liberdade, nem direito como indivíduo, diferente daquele ideal de sociedade que encontramos na maioria dos países que acreditam na democracia atualmente.

“Pro lado de cá, não tem acesso, mesmo que me chamem pelo nome, mesmo que admitam meu regresso. Toda vez que eu vou, a porta some, a janela some na parede. A palavra, de água, se dissolve…” – Pro lado de cá, representando a sociedade livre por detrás dos muros do hospital, não dá espaço para alguém que por algum motivo, algum dia, foi excluído.

Todos aqueles que não se encaixam aos moldes daquela mesma sociedade democrática que deveria prezar pela liberdade, pelo culto às diferenças e pela justiça, e que, a partir do momento em que determina moldes, deixam de praticar tudo aquilo que a conduziu ao seu estado atual, são automaticamente marginalizados, caem facilmente no esquecimento. Assim como tudo, as relações humanas, o respeito pelo outro, o respeito pelo espaço do outro, saíram de moda muito rapidamente, se tornaram “cafona”, descartáveis.

Após receber alta, depois Neto retorna a outra instituição semelhante, levando-o a tentativa de suicídio, ateando fogo aos cobertores num pequeno cubículo escuro onde se encontrava. Quanto mais tempo no hospício, mais Neto vai ficando acabado, mental e fisicamente.

Em uma cena no hospital psiquiátrico, um “velho louco” entrega a Neto um gorro e diz: “É pra agasalhar aqui.”, apontando para a cabeça. A intenção do velho não é simplesmente proteger o jovem de um resfriado ou algo do tipo, mas sim proteger a cabeça dele, a mente, os pensamentos e os sonhos, mantê-lo fértil e são, protegê-lo não só daquela realidade enlouquecedora vivida naquele hospital, ou dos “loucos”que convivem com eles, mas também da nossa sociedade, cruel, massante, que não permite o erro e nem aceita o pedido de perdão, mas que julga, aponta o dedo e despreza quem mais deveria ter o suporte para ser reinserido. Somos parte de um grande todo, somos iguais, temos qualidades, erramos e exercendo aquilo que seria o ideal de direito, liberdade e justiça, poderíamos viver em um lugar onde não precisaríamos fingir tanto.

O manicômio, que supostamente deveria curar o paciente, acaba por deixá-lo louco e mais alienado do que nunca, sem nenhum estímulo para o intelecto nem para o físico, e com funcionários violentos, resta-lhe apenas isolar-se em seu próprio mundo. O filme é encerrado com o pai lendo uma carta de Neto, ou seja, ouvindo pela primeira vez a voz do filho.

A reforma psiquiátrica e os manicômios

A psiquiatria manicomial retratada no filme não está muito longe da situação nos hospícios de Paris, que Pinel tentou combater no fim do século XVIII na Sarpetriére. Pinel encontrou pessoas torturadas por serem loucas, presos a correntes de ferro, como se ainda no século XVIII permanecesse a visão demoníaca para doença mental, que vinha da Idade Média.

Bicho de Sete Cabeças
A reforma psiquiátrica atuou transformando valores, entre eles, os valores sociais. No filme Bicho de Sete Cabeças fica bem clara a atitude da sociedade com qualquer pessoa que demonstra algum comportamento diferente, ou seja, que está fora daquilo que a mesma considera normal. Neto é considerado pelo pai como viciado em drogas, por ter sido encontrado um cigarro de maconha nas suas coisas: comportamento esse suficiente para justificar a internação do rapaz num manicômio.

É constatado no artigo "A preparação de atores do filme 'Bicho de Sete Cabeças", que Sérgio Penna fez um trabalho de preparação dos atores para que eles pudessem assumir a loucura dos personagens. É importante dizer que ele e o ator do filme conseguiram assumir plenamente o comportamento psicótico dos personagens e a transformação do Neto (Rodrigo Santoro) de pessoa praticamente normal para um ser inseguro, vacilante, se desligando passo a passo da sua consciência e de sua vontade.

A internação foi feita de maneira involuntária, ou seja, ele foi encaminhado ao manicômio, sem nenhuma explicação. Embora esse tipo de internação possa ser solicitada, segundo a lei, diz que existem critérios para se conseguir a internação de uma pessoa num manicômio, entre eles está a inclusão de um laudo médico, o que evita possíveis erros e constata a real necessidade do internamento, critério esse que não foi observado no caso do Neto, que não teve nenhuma avaliação médica, nenhum exame, nem mesmo a consulta clínica de um profissional, justificando a sua estada na instituição.

No filme, bastou a irmã do rapaz contatar alguns conhecidos influentes o bastante pra lhe prestar esse favor. Nessa instituição, o médico só aparecia uma vez por semana e mostrava um total desprezo e descaso com as pessoas internadas, nem sequer parando para ouvi-los. Assim, o personagem continua clamando por alguém que o ouça e o compreenda. O médico, autoridade absoluta e inquestionável até então do saber psiquiátrico, se mostra frio e indiferente ao tratar o paciente, da mesma forma a enfermagem, estes que estão ali pra proporcionar conforto e segurança ao paciente, mostrando total negligencia ao decorrer do filme.

Não há uma preocupação diária com a higiene e com a privacidade dos pacientes, já que vemos num dado momento do filme, os pacientes nus no pátio. Há o fornecimento ou facilitamento de cigarros, já que vemos muitos internos fumando.

A assistência do hospital estava baseada somente na internação, ou seja, a exclusão do paciente da sociedade. Neto foi excluído do convívio da família, dos amigos, da escola. Alguns métodos desumanos são evidenciados no filme, que foi o alvo da construção da crítica a esse tipo de hospital, que usavam medicamentos fortíssimos, onde muitos pacientes ficavam em estado vegetativo e sem pensamentos, produziam alucinações, além de pacientes serem trancafiados, a exemplos do personagem que é preso por dias seguidos num cubículo escuro e fétido pelo enfermeiro, que o acha indisciplinado. Muitos sofrem agressões físicas, além dos choques elétricos: práticas comuns em tais ambientes.

No dizer do prof. Doutor Emílio Mira y López os tratamentos de choque usados na década de 50: Cardiasol, como insulínico e eletrochoque, poderiam ser comparados a uma técnica de pegar os pacientes e ameaça jogá-los num precipício, se os pacientes melhoravam com o tratamento de choque seria pela consciência de que entre continuar a recebê-los e se adaptar ao hospital psiquiátrico, seria melhor optar pela segunda alternativa, não só por uma questão de medo, mas também para preservar a vida.

Em uma ligação feita pelo diretor do manicômio vemos outra denuncia da reforma psiquiátrica: a mercantilização da loucura. É dado um incentivo a instituição pelo número de pacientes existentes no local, e para tanto não há escrúpulos, o diretor diz: “pegaremos qualquer mendigo e lotaremos isso aqui!”. Não há nenhum instrumento que avalie a instituição e possa levá-la ao descrendenciamento (nos casos das irregulares) como atualmente existe o PNASH/PSIQUIARIA. Na época anterior a reforma, as únicas possibilidades de fiscalização e avaliação eram os supervisores do SUS ou auditórias que atendiam a denuncias feitas por familiares de usuários, o que é muito longe da realidade do filme, já que ninguém ouvia ao gritos de socorro de Neto. Sua família antes das visitas era orientada a não estranhar o comportamento do rapaz e a julgar pelo jardim da instituição e pelo aspecto corado e nutrido de Neto (muitas vezes conseguidos a custa de remédios que lhe abria o apetite). Não poderiam haver suspeitas.

Quando Neto enfim consegue sair da instituição, vemos que ele não tem assistência alguma, após um período de internação prolongado não há nenhuma preocupação em reinseri-lo na sociedade, já que após um longo período internado necessitaria de apoio para se readaptar, como é dado atualmente pelos CAPs e NAPs e residências terapêuticas, ele precisaria do apoio dos Capsad (que atende a usuários de drogas e álcool) já que supostamente ele se encaixaria nesse perfil. Essas instituições são instrumentos de grande valor para a reforma.

Comparando com a antiga realidade mostrada pelo filme, vemos a importância da Reforma Psiquiátrica, pelo sofrimento que poderia ter sido poupado a milhares de pessoas como Neto, que foram e são forçadas muitas vezes sem necessidade alguma a perderem suas vidas em manicômios (cuja proposta é recuperá-los), contribuindo muitas vezes para a morte desses indivíduos, com terapias agressivas e com total falta de amor e respeito, dando-lhes um tratamento vergonhoso e cruel.

A reforma contribuiu para transformar práticas, saberes, valores culturais e sociais, ressaltando o direito que essas pessoas têm de ter uma assistência, inclusive de enfermagem, de forma digna e humana.

Leia também:
*Luta Antimanicomial
*Drogas e Cidadania

Veja o trailer do filme:
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

19 comentários:

  1. tu num tem um link nao que eu possa baixar esse filme? queria ver todo. beijo fifi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tem ele no you tube inteiro, mas em partes ... acabei de assistir

      Excluir
  2. Baixar o Filme - Bicho de Sete Cabeças - http://mcaf.ee/d5tq9

    ResponderExcluir
  3. Tenho que fazer um trabalho de Neuropsiquiatria - Enfermagem, sobre esse tema, e o prof.° nos orientou sobre esse filme. Puts, ancioso de mais para assisti-lo. Rodrigo Santoro é um excelente ator.

    ResponderExcluir
  4. Eu assisti o filme em seguida que foi lançado e mais de uma vez. Porém, depois de estudar a disciplina de saúde mental (enfermagem) a minha visão é totalmente diferente. Fiquei mais chocada com as crueldades, torturas, exclusão e abuso que as pessoas portadoras de transtornos mentais sofrem. Além da doença, são excluídas, discriminadas e na maioria das vezes não tem o tratamento adequado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente uma realidade muito triste, Karen, que muitas vezes só abrimos os olhos quando estudamos e nos aproximamos do assunto. Mas a maior parte da sociedade fecha os olhos para não ver.

      Excluir
  5. Gente que relato impressionante, honroso sobre este filme fiquei muito impactado pois eu atuo com pesquisas em psiquiatria e saúde mental com enfoque em direitos humanos. Parabéns vou ler este artigo em ações públicas como parte de reforça a criticidade de tais atitudes e sobre a relevância do filme como tomada de consciência e para o fortalecimento de políticas públicas na temática em queatai entre tantos outros como o rico texto aborda dentro de uma percepção das questões sociais e da realidade brasileira em relação a pobreza e desigualdade gerando falta de oportunidades e práticas do senso comum como uma determinação da alienação. Muito emocionante este valioso texto!

    ResponderExcluir
  6. de que maneira a reforma psiquiátrica beneficiou pacientes como Neto?

    ResponderExcluir
  7. Hoje em dia por ter uma lei expecífica que trata da saúde mental e adictos e drogadictos trás novas diretrizes com uma visão humanização.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mentira, não funciona. Só que continuam por de baixo dos panos.

      Excluir
  8. Que reforma é essa? Não teve melhora quase nenhuma vivi isso é não tem nem dois anos. Nada mudou os funcionários continuam agindo dessa forma,os médicos ignoram, enfermeiros maltratam,a visita é recebida em um local bonito,porém pacientes só tem o direito de ir até lá no momento da visita. O eletro choque continua, porém dão uma anestesia e alegam ser para melhora do funcionamento cerebral, quando na verdade ficam como zumbis. Sem contar nas contenções que deixam o paciente amarrado por horas as vezes dias. Não teve reforma, apenas maquiaram pra quem está de fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. voce ta certa. nao houve realmente reforma nenhuma. a ``reforma`` eh so pra maquiar o que realmente acontece nesses lugares. eu ja estive internado duas vezes e vi pessoas que passaram a vida inteira naquele lugar, e tao la ate hoje. isso eh tudo interesse das elites globais que lucram bilhoes com a venda dessas drogas, ja que se eles nao forçarem os ``doentes`` a tomarem eles nao lucrarao o que lucram. na UISM unidade de saude mental militar da marinha tem milhares de pacientes que tao presos la a vida toda e nunca sairao de la, alem disso eu vejo o tempo todo pessoas entrando com medicamentos a serem vendidos, representantes de vendas, ou seja, eh tudo capitalismo, capitalismo precisa oprimir as pessoas pra existir. mas posso pensar positivo em uma coisa, quem tem o poder que tem tudo a perder, quem tem o poder vive com medo de perder o poder, mas todo poder se perde. no final, a sociedade capitalista entrara em colapso, algo acontecera, ate mesmo uma era glacial pode voltar ao mundo. no fundo nao sao os doentes os realmente derrotados, e sim os que tem o poder, o segredo da vida eh nao ter nada a perder. devemos destruir a cultura de dentro de nos, e sermos nos mesmos. ser nos mesmos eh o suficiente pra fazermos nossa parte para que o poder da elite caia.

      Excluir
    2. a alquimia prova que pessoas que querem o poder, controlar outras pessoas, escravizar outras pessoas, acabam terminando com cancer. pois pessoas asssim nao tem alma, e quem nao tem alma tem cancer. verei meus pais e meu irmao tendo cancer algum dia, e irei sorrir, rir desses lixos. representaneets de vendas capitalistas tambem, se nao forem psicopatas. so psicopatas podem ser psicoapatas sem ter cancer. o cancer eh a soluçao da natureza pra nos vingar, e fuder com essa humanidade cruel e desumana.

      Excluir
  9. Não precisa estar em manicômio para sofrer mal trato, é só ficar na UTI...

    ResponderExcluir
  10. Não precisa estar em manicômio para sofrer mal trato, é só ficar na UTI...

    ResponderExcluir