Social Icons

facebooktwitteryoutuberss feedemail

quarta-feira, 28 de março de 2012

"Cão de Briga" e Behaviorismo

O Filme o “Cão de Briga" relata a dramática história de um garoto orfão chamado Danny, vivido pelo ator Jet Lee. Desde os quatro anos Danny foi "adestrado" e treinado por Bart, ele foi condicionado a ter um comportamento diferente das outras crianças, jovens e adultos, Danny foi criado como um cão de luta por Bart (Bob Hoskins), que dizia ser o seu tio, para usar Danny como sua potente arma de guerra. Danny não sabe como comportar-se socialmente, seus hábitos eram como o de um animal, ele vivia preso, comia como um cão e usava uma coleira, privado de qualquer tipo de educação, é violento, não perde uma luta, é capaz de enfrentar uma dúzia de capangas; mas é submisso a Bart e não conhece nada na vida além de lutar.
O cão de briga tinha um comportamento modelado por Bart, tudo o que Bart lhe ensinava, ele seguia. Era como se Bart fosse seu dono. No seu pescoço era posto uma coleira, que é a chave do seu condicionamento, quando esta com ela, é dócil, mas quando Bart a retira, é melhor não ficar em seu caminho, pois Danny parte para o combate, esmagando quem tiver na frente e ele só vai parar de bater quando seu adversário morrer ou Bart mandar parar. Porém, o filme mostra que tudo começa a mudar quando ele conhece Sam (Morgan Freeman), um afinador de pianos cego e sua enteada Victoria (Kerry Condon) que no momento são os unicos a tratá-lo como gente, o ensinam novos hábitos, tornando-o mais humano e sensível. Danny vai para a casa de Sam e começa a morar lá com Sam e Victória, que farão Danny descobrir uma humanidade que até então lhe era desconhecida, até mesmo proibida. Danny tentará ser finalmente ele mesmo e desvendar os segredos de seu passado, tentando se libertar de Bart sem deixar de proteger aqueles que constituem a sua "família". A amizade com Sam e seus ensinamentos lhe devolvem sua humanidade há muito esquecida e isso será o catalisador da revolta de Danny contra Bart e seus capangas.


O filme vai relatar o comportamento de Danny onde podemos comparar com os comportamentos behavioristas:

Comportamento Respondente/reflexo: Que podem ser provocadas por estímulos novos que inicialmente não produziam respostas em determinado organismo. Quando tais estímulos são pareados com estímulos eliciadores podem, em certas ocasiões, eliciar respostas semelhantes. A essas novas interações chamamos de reflexos, que são agora condicionados devido a uma história de pareamento, o qual levou o organismo a responder a estímulos que originalmente não respondia. Assim, transformam-se estímulos não-condicionados em estímulos condicionados.

Comportamento Operante (de B. F. Skinner): Tal comportamento abrange a maior parte das atividades humanas, inclui todos os movimentos de um organismo dos quais se possa dizer que, em algum momento, têm efeito sobre ou fazem algo ao mundo ao redor. Neste caso, o comportamento operante, o que permite a aprendizagem dos comportamentos, é a ação do organismo sobre o meio e efeito dela resultante – a satisfação das necessidades, ou seja, a aprendizagem depende do efeito da ação. O comportamento operante pode ser representado em termos R->S, sendo R a resposta e S o estímulo reforçador, que tanto interessa ao organismo. Tal estímulo é chamado de reforço. A interação é fundamental porque o organismo se comporta produzindo uma alteração ambiental que retroage sobre o indivíduo, alterando a probabilidade de uma nova ocorrência. A partir do momento em que Danny vai morar com o Sam e a Victoria começa o comportamento operante.

Watson dizia que “nós somos o que fazemos e nós fazemos o que o meio nos impele a fazer”, o que pode ser constatado no filme, pois o comportamento de Danny era conseqüência do que Bart fazia com ele, ou seja, ele determinava que Danny tivesse que lutar daquela maneira, ele foi “obrigado” a viver daquela forma, aquela foi a educação que ele recebeu, ele vivia em um ambiente fechado e sem contato com outras pessoas, Danny não conhecia o mundo, só conhecia aquilo que ele vivia. O Behaviorismo Clássico postulava que todo comportamento poderia ser modelado por conexões. O filme retrata como a educação pode levar à emancipação ou à alienação.

Texto por Isabela França

Veja o trailer do filme:

6 comentários:

  1. Condicionamento operante: "é a ação do organismo sobre o meio e efeito dela resultante". Agora ficou mais claro para mim o condicionamento operante. O indivíduo irá desenvolver, isto é, operar aquilo que o meio lhe pede. Haverá possibilidades limitadas. Faça o que quero que te recompenso. Antes de conhecer a outra realidade ele estava no condicionamento clássico, não é? Lembrei de uma parte do filme: Depois que Danny conhece o piano, e em seguida, há uma luta, depois de vencer a luta, feliz pela vitória, o suposto tio de Danny pergunta o que ele quer: Ele diz que deseja um piano. Nesse momento, não há uma ideia de reforço, há apenas uma tentativa de agrado do Tio de Danny, mas logo em seguida ocorre o acidente. E danny, tem a possibilidade de conhecer um novo caminho de vida. Isabela, poderíamos também afirmar que o gosto de Danny por música seria um comportamento de influência da mãe? A música, neste contexto, teve um papel importantíssimo no período de transição de Danny.
    Mais algumas palavras...
    Quando você mencionou Watson, lembrei do lema dele:

    “Dê-me uma dúzia de bebês saudáveis e bem-formados e um mundo especificado por mim para criá-los, que garanto escolher qualquer um ao acaso e treiná-lo para tornar-se qualquer tipo de especialista que eu escolher – médico, advogado, artista, comerciante e sim, até mesmo mendigo e ladrão, independentemente de seus talentos, inclinações, tendências, habilidades, vocações e da raça de seus ancestrais”.


    Mesmo querendo determinar o comportamento de forma plena, ele precisa de necessidades básicas. Ele precisa de crianças saudáveis e bem-formadas. E se a crianças fossem desprovidas de saúde e de uma boa formação? Watson saberia trabalhar com o imprevisível?

    ResponderExcluir
  2. Isso mesmo, ótimas observações! Na infância, como é mostrado depois, ele acompanhava sua mãe tocando piano. Todas as lembranças depois foram esquecidas, mas continuaram no subconsciente de Danny, por isso ele tinha esse interesse pela musica e pelo piano, desde a primeira vista. Um exemplo dessa memoria no inconsciente é mostrada em uma cena em que Danny toca uma música, e Victoria pergunta de onde ele a conhece, e ele responde que é "uma musica que toca em sua cabeça".

    Em relação a Watson, acho esse lema dele importantíssimo, porque demonstra exatamente o que o behaviorismo afirma, que seria "o meio determinando o individuo", porém, pessoalmente, acho essa afirmação bastante pretenciosa da parte de Watson, pois como você lembrou, isso dependeria de vários fatores como as necessidades básicas, a saúde, a boa formação e muitos outros, para determinar um individuo dessa forma proposta. Por isso mesmo ele diz que precisa não só das crianças, mas também de "um mundo especificado por ele para criá-los" para conseguir determinar o comportamento de tal forma.

    ResponderExcluir
  3. O imprevisível é o que evitado pelos psicólogos behavioristas. Em contrapartida, é um campo fértil para psicanálise. Alguma postagem em mente sobre psicanálise?

    ResponderExcluir
  4. Só pra constar, o Condicionamento Operante não pertence à alçada do Behaviorismo Metodológico de Watson. O termo foi cunhado por B. F. Skinner, no chamado Behaviorismo Radical, misturando as abordagens faz parecer que o Behaviorismo é uma coisa só. É necessário tomar cuidado com o reducionismo à fim de evitar o preconceito e melhor direcionar as críticas. ^^

    Ótimo Blog.

    ResponderExcluir
  5. Sim, bem lembrado. Falarei sobre isso quando fizer uma postagem que realmente fale sobre o behaviorismo mais a fundo. Essa foi apenas para relacionar o filme com o behaviorismo, não para entrar em detalhes sobre o tema. Mas obrigada pela contribuição, foi uma boa observação.

    ResponderExcluir